Glossário Vote Bem: Ideologias

shutterstock_388380514

Desde o ano passado, a política está conturbada no mundo inteiro, não apenas no Brasil. Esse cenário contribui para posicionamentos e manifestações cada vez mais radicais, como o que aconteceu, em Charlottesville, Estados Unidos. Um grupo de supremacistas brancos protestou contra judeus, negros e outras etnias. Também ouvimos falar de “liberais” que defendem diminuir os gastos públicos, em tempos de crise fiscal. Por trás de tudo isso há ideologias políticas e é importante que a gente conheça as principais, para saber se posicionar de forma mais consciente.

Leia mais:
De cada 10 candidatos a prefeito no Paraná, só uma é mulher
Um em cada 4 candidatos paranaenses tem ensino superior
Candidato no Paraná é homem, branco e tem mais de 40

Para ajudar nesta empreitada, o Vote Bem fez um Quiz (clique aqui para responder) e resumiu os conceitos das principais ideologias políticas. Confira abaixo:

Liberalismo – O liberalismo, em geral, defende a garantia de liberdades individuais. Existem várias versões do liberalismo. O liberalismo econômico foca menos intervenção do Estado na economia. O liberalismo político foca a garantia de direitos individuais, como direito ao voto, sufrágio universal e direitos humanos. Um governo liberal começou a se constituir no Reino Unido, a partir da Revolução Gloriosa (1688), limitando o poder da monarquia. A partir de filósofos como Locke e Montesquieu e de economistas como Adam Smith e David Ricardo, o liberalismo transformou-se em uma doutrina, florescendo na Europa ocidental e nos Estados Unidos. O liberalismo econômico foi hegemônico na Europa e nos EUA no século XIX até a Grande Depressão de 1929. Um dos principais desafios do liberalismo é realizar, de fato, a promessa de liberdade em sua concepção: ampliar os direitos para todos, sem distinções.

shutterstock_200445569Neoliberalismo – Muitas vezes pejorativo, o termo se refere à doutrina do Estado mínimo. Ele retoma o liberalismo econômico. Isso geralmente envolve corte de despesas governamentais, incluindo diminuição de políticas assistencialistas, privatização de empresas estatais, desregulamentação dos mercados financeiros e do mercado de trabalho, deixando que direitos como férias e FGTS, por exemplo, sejam negociados entre empregados e empregadores. Governos neoliberais se disseminaram no Ocidente a partir da década de 1980. A doutrina foi capitaneada pelos governos de Margareth Thatcher, no Reino Unido, e de Ronald Reagan, nos Estados Unidos, espalhando-se pelos países subdesenvolvidos nos anos 1990. Um dos principais problemas do neoliberalismo éconciliar liberdade de iniciativa com igualdade de oportunidades, já que nem todos nascem em condições iguais.

Socialismo – O socialismo opõe-se ao liberalismo econômico e defende que a economia deve ser controlada pelo Estado. Acredita-se que, sem o controle do Estado, a sociedade tende a ser dividida entre pessoas mais privilegiadas e menos privilegiadas. Assim, para os socialistas, o capitalismo é excludente e explora os menos favorecidos, como os trabalhadores. Por isso, no socialismo as empresas são propriedade do Estado e todos trabalham para ele. Defende-se que esse sistema dá as mesmas oportunidades para todos. O socialismo foi desenvolvido por pensadores como Robert Owen, Henri de Saint Simon e Karl Marx. Um dos seus principais desafios é, na prática, não ser autoritário, já que a hegemonia de um partido político é geralmente necessária para obter esse nível de controle social.

shutterstock_337212554Comunismo – Idealizado por Karl Marx, o comunismo se refere a uma sociedade ideal. Nessa sociedade não existiriam nem classes sociais, nem Estado. O princípio dessa sociedade ideal é que as pessoas contribuam para a sociedade de acordo com suas capacidades e recebam de acordo com suas necessidades, corrigindo desvantagens e desigualdades. Nesse sentido, não haveria empresas privadas e a distribuição de riquezas seria igualitária. Marx defendia que esse seria o estágio final da evolução da sociedade. No entanto, para chegar ao comunismo seria necessário passar pelo socialismo. Isso ocorreria através de uma revolução comandada pelos trabalhadores, chamados de “proletariado”. Inicialmente, a propriedade privada seria abolida pelo Estado proletário. O comunismo, então, naturalmente se estabeleceria a partir do socialismo, à medida que a sociedade passasse a depender menos do Estado. A principal crítica ao comunismo ressalta que, na prática, a ditadura do proletariado acabou se transformando na ditadura do partido comunista, que se perpetuou no poder sob o pretexto de defender os mais pobres.

Social-democracia – Como doutrina, surgiu no fim do século 19, na tentativa de dosar os excessos do capitalismo com políticas de inspiração socialista. Defende, por exemplo, a garantia da igualdade de oportunidades a partir de políticas sociais, sem, no entanto, acabar com a propriedade privada. O Estado intervém na economia para corrigir desigualdades produzidas pelo livre-mercado. Assim, a social-democracia almeja bem-estar social sem revolução socialista e sem abrir mão do capitalismo. Ela foi implantada especialmente na Europa, depois da II Guerra Mundial. Hoje, a social-democracia compete com o liberalismo como principal doutrina nos países democráticos. Nações como França, Alemanha e os países nórdicos favorecem a social-democracia, enquanto Reino Unido e Estados Unidos favorecem o liberalismo.

Conservadorismo – O conservadorismo não tem elaboração teórica como o liberalismo, a social-democracia ou o socialismo. Ele é mais um conjunto de atitudes, de valores, defendidos de forma mais ou menos clara pelas pessoas. Trata-se de uma defesa pela manutenção da ordem, sobretudo dos valores morais tradicionais. Essa defesa, em geral, tem dois motivos. Em primeiro lugar, os conservadores temem que mudanças possam trazer instabilidade, piorando as coisas. Em segundo, entendem que certas instituições são naturais, como a família tradicional, devendo, portanto, ser preservadas. Por esse motivo, os conservadores podem eventualmente apoiar políticas autoritárias, caso sintam que esses valores estejam ameaçados. O conservadorismo também está associado à manutenção do sistema econômico vigente, geralmente, capitalista. Em geral, a expressão “governo de direita” se refere a esse conservadorismo. Observe, entretanto, que governos socialistas também podem ser moralmente conservadores, como o caso da China.

Progressismo – Assim como o conservadorismo, “progressismo” não tem uma elaboração teórica como o liberalismo ou o socialismo, mas é um conjunto de valores e atitudes. Contrapõe-se, entretanto, ao conservadorismo. Diz-se que um partido ou alguém é “progressista” quando se é favorável a mudanças na ordem. Essas mudanças, por sua vez, pautam-se pela expansão de direitos. Por exemplo, a defesa dos direitos civis de minorias, como os movimentos negro, LGBT e feminista, são associados ao progressismo. A ideia é expandir direitos de uns (“privilegiados”) para outros (“excluídos”): direito de votar, de casar, de estudar, de empreender, e por aí vai. O progressismo radicaliza princípios éticos presentes no liberalismo clássico, expandindo os conceitos de liberdade, igualdade e justiça para grupos previamente excluídos.

Já fez o nosso Quiz? Clique aqui e descubra sua orientação política

Vote Bem

O voto é o mecanismo mais poderoso da democracia. É com ele que escolhemos quais serão os representantes de nossos ideais na política.

Saiba mais

Como Votar Bem

Aqui você encontra ferramentas, conteúdos e dicas sobre eleições, voto e processo eleitoral. Coloque em prática seu papel de cidadão consciente.

Saiba mais

Vídeos

Assista aos vídeos produzidos para a campanha Vote Bem.

Saiba mais

Movimento Vote Bem